Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Balança SM100 performance surpreendente

Tecnologia Japonesa   Teclado e Visor resistentes a água
Consumo inteligente de etiquetas   Baixo custo de manutenção
Comunicação Ethernet e WIFI independentes

Comprar

Impressora de Etiquetas ELGIN - L42 PRO

Protocolos PPLA, PPLB, ZPL, EPL (automático)
Porta USB padrão Opcionais: Ethernet, Serial, Paralela
Sensor de Etiquetas Móvel Garantia de 18 meses

Comprar

Recommended Posts

Bom dia a todos, 

Estou neste mesmo barco, porém para a UF SC. Aqui temos a declaração DRCST, atualmente estou trocando ideias com as contabilidades para saber como vai ser gerado essa guia, se nosso sistema (ERP) deverá gerar, ou se o próprio sistema contábil irá conseguir gerar com bases nas notas importadas pelo SPED.

Vou implementar as tags de ST Retido e ST Efetivo. 

Só para deixar claro então pessoal, tanto para o calculo de ST Retido quanto para o ICMS Efetivo para calcular ambos devemos obter a base de ST unitário da entrada do produto e multiplicar pela quantidade da venda para obter a base de ST das tags? 

Exemplo: 1) NF de entrada do produto X com 5 unidades totalizando a base de ST com  por R$250,00.

                  2) NF de entrada do mesmo produto com 25 unidades totalizando a base de ST com  por R$1.125,00.

                  3) Venda ST 60 com 3 unidades da primeira NFe e 5 unidades da 2 NFe. Neste caso conforme Art 28 compartilhado aqui pelo @augelias deveríamos pegar a base ST unitária da ultima entrada, ou seja R$:45,00 (R$ R$1.125,00 / 25) *  quantidade de itens da NFe. No caso a Base de ST das tag de ST Retido ficaria R$:135,00 (R$:45,00 * 3). Confere?

Uma outra solução para chegar na base de ST unitária poderia ser pela Media Ponderada:

MP = Soma das bases de todas entradas do produto / quantidade total da mercaria
MP = (250 + 1125) / 30
MP = 1375 /30
MP = 45,83

O que acham? Da pra usar a média ponderada ou seria melhor a ultima entrada? Se for possível pela ultima Entrada seria bem mais fácil.

Outra questão a alíquota para o calculo de ST Retido e ICMS Efetivo será sempre a alíquota interna?

 

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
6 minutos atrás, João Paulo Müller disse:

Bom dia a todos, 

Estou neste mesmo barco, porém para a UF SC. Aqui temos a declaração DRCST, atualmente estou trocando ideias com as contabilidades para saber como vai ser gerado essa guia, se nosso sistema (ERP) deverá gerar, ou se o próprio sistema contábil irá conseguir gerar com bases nas notas importadas pelo SPED.

Vou implementar as tags de ST Retido e ST Efetivo. 

Só para deixar claro então pessoal, tanto para o calculo de ST Retido quanto para o ICMS Efetivo para calcular ambos devemos obter a base de ST unitário da entrada do produto e multiplicar pela quantidade da venda para obter a base de ST das tags? 

Exemplo: 1) NF de entrada do produto X com 5 unidades totalizando a base de ST com  por R$250,00.

                  2) NF de entrada do mesmo produto com 25 unidades totalizando a base de ST com  por R$1.125,00.

                  3) Venda ST 60 com 3 unidades da primeira NFe e 5 unidades da 2 NFe. Neste caso conforme Art 28 compartilhado aqui pelo @augelias deveríamos pegar a base ST unitária da ultima entrada, ou seja R$:45,00 (R$ R$1.125,00 / 25) *  quantidade de itens da NFe. No caso a Base de ST das tag de ST Retido ficaria R$:135,00 (R$:45,00 * 3). Confere?

Uma outra solução para chegar na base de ST unitária poderia ser pela Media Ponderada:


MP = Soma das bases de todas entradas do produto / quantidade total da mercaria
MP = (250 + 1125) / 30
MP = 1375 /30
MP = 45,83

O que acham? Da pra usar a média ponderada ou seria melhor a ultima entrada? Se for possível pela ultima Entrada seria bem mais fácil.

Outra questão a alíquota para o calculo de ST Retido e ICMS Efetivo será sempre a alíquota interna?

 

 

 

  Em resumo o que entendi é o seguinte:

  ST Retido: Você pega a base unitária da última compra * a quantidade na nota. (Como no seu exemplo 3). A questão da alíquota também ainda estou em dúvida, mas acredito que se trate da alíquota interna mesmo.

  ST Efetivo:  Neste caso, a base é calculada normalmente de acordo com os valores do item no documento, como era feito anteriormente.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
18 horas atrás, augelias disse:

Boa Tarde

Conforme a legislação que li até o momento, se não for possível identificar a base do o produto que está sendo vendido com a nota de compra, usa-se o ultimo valor de nota de entrada.

Art. 28 - O contribuinte substituído, na operação que realizar com
mercadoria recebida com imposto retido, emitirá documento fiscal,
sem destaque do imposto, contendo, além das demais indicações:

Parágrafo único - Na hipótese em que não for possível determinar a
correspondência entre a base de cálculo do débito de substituição tributária e a
respectiva mercadoria, tomar-se-á o valor que serviu de base para a retenção do
imposto quando da última aquisição da mercadoria pelo estabelecimento,
proporcional à quantidade saída.

Esta será a solução que irei usar com meus clientes, pois muitos não fazem qualquer controle de notas... E para aqueles que já utilizam a importação de XML para meu sistema, já criei rotina para "revalidar" as notas importadas e buscar as informações que não tratava antes.

Estive analisando a legislação que @augelias compartilhou, e pude observar que é um Decreto de RS, acredito que para SC não poderíamos considerar a opção de pegar a base de ST Retido da ultima compra.

Como até então não encontrei nenhuma informação sobre como obter os dados de ST Retido da compra, acredito que a melhor forma seria obter a média ponderada da Base de ST unitário da compra.

Vish! Bai dar um trabalho isso.. Imagina para cada nota onde houver a cobrança de ST anterior (CST 60) ter que fazer um recalculo em todas Entradas para obter a Média ponderada do ST.🤔😨

Editado por João Paulo Müller

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Uma outra ideia pessoal:

Não seria mais interessante disponibilizar para o usuário uma rotina na venda com CST 60 onde ele possa relaciona as notas de entrada e o respectivo item. Assim o usuário estaria indicando para o sistema utilizar o ST de terminado item, pegando assim o ST correto.

Ai se no caso ele está indicando que o produto vendido parte vem de uma entrada e outra parte de outra ele indicaria as duas notas e aplicaríamos a média ponderada apenas dessas duas notas que correspondem ao item.

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O detalhe que essa implementação de selecionar a nota de entrada vai gerar um trabalho a mais para o usuário.

E há também empresas onde o usuário que faz a venda não possui o conhecimento das entradas, o que cairia por terra essa ideia.

No momento não vejo outra ideia a não ser a Média ponderada de todas entradas do produto.

Editado por João Paulo Müller

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Boa tarde!

@João Paulo Müller, dá uma olhada na legislação de SC, se irão tratar da mesma forma que o RS (li praticamente toda legislação do RS para começar a entender alguma coisa).

Deixar a seleção da origem da base na hora da venda, nos casos em que tem frente de caixa, por exemplo, torna-se inviável, pois o usuário normalmente não saberá qual associação fazer.

Em alguma das postagens, é falado sobre armazenar o valor unitário de entrada. Será este método que irei utilizar, pois, cada nova entrada substituirá a base de cálculo unitária para ser usada na hora da venda.

Sem um controle rígido por lote ou número de série registrado nos produtos, é inviável identificar qual a base de cálculo da nota associada para o produto sendo vendido, pois, basta modificar a ordem do produto na prateleira, como exemplo, que já bagunça todo o controle! 

Acredito que seja por isso que na legislação do RS tenha adotado este método (falha minha não ter especificado na postagem que a legislação é do RS).

No momento, estou liberando uma versão do meu sistema onde irei ler todos os XMLs de notas de compra e atualizar os dados no banco de dados, tratando campos que não considerava antes. No segundo momento, irei recalcular todos os registros apurando se tem ou não base e atualizar as tabelas do sistema para que, na hora da venda, busque essa informação.

Estou aceitando sugestões de como tratar esta situação, pois está dando um nó na minha cabeça!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
16 minutos atrás, augelias disse:

Deixar a seleção da origem da base na hora da venda, nos casos em que tem frente de caixa, por exemplo, torna-se inviável, pois o usuário normalmente não saberá qual associação fazer.

 

Falando sobre RS, não há necessidade de relacionar as vendas na frente de caixa com as notas de entrada, pois o que está se pedindo na apuração é todas as vendas (ICMS ST Efetivo) - (menos) as compras (ICMS ST Presumido) descontando os não tributados (Isentos e Não seja Consumidor Final).

Na primeira página, tem um exemplo no slide 30 na apresentação 1 - legislação, onde o auditor da receita Ernany mostra os valores para apuração.

image.thumb.png.f78f1fad13e7e68f1d456a0dd0eadfc4.png

A única relação entre a venda e a compra, será referente esse último caso, dos não tributados (Isentos e Não Consumidor Final), onde será necessário buscar a informação da compra para repassar ao cliente.

Nesse caso, devemos informar as tags do ICMS Retido, NFe, para a frente de caixa será somente NFCe, as tags do ICMS Efetivo.

 

Editado por Cleverson Favero
faltou complementar

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
4 minutos atrás, Cleverson Favero disse:

Falando sobre RS, não há necessidade de relacionar as vendas na frente de caixa com as notas de entrada, pois o que está se pedindo na apuração é todas as vendas (ICMS ST Efetivo) - (menos) as compras (ICMS ST Presumido) - (menos) os não tributados (Isentos e Não seja Consumidor Final).

A única relação entre venda e compra, será referente esse último caso, dos não tributados (Isentos e Não Consumidor Final), onde será necessário buscar a informação da compra para repassar ao cliente.

 

Desculpe a ignorância @Cleverson Favero, mas não compreendi o que você falou...

O que havia entendido até o momento é que, devemos informar as bases quando ocorrer a situação 2 (saida para substituido e não consumidor final) e 3 (saida para consumidor final).

No caso do distribuidor (situação 2), ele teria que armazenar a base para repassar para o varejista (utilizado no cálculo).

No caso do varejista (situação 3), teria que "saber" que o produto teve cálculo da retenção e calcular a ST efetiva.

No caso 3 mesmo que não precise apurar a base de origem, iria calcular sempre então?

Seria isso?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
23 minutos atrás, augelias disse:

No caso 3 mesmo que não precise apurar a base de origem, iria calcular sempre então?

Isso.

Desculpa, estava falando apenas do caso 3 substituído e varejo, por você ter citado a frente de caixa.

1 - Nas vendas pra consumidor final, não é necessário buscar nenhuma informação na entrada, o cálculo é o simples valor total da venda * aliquota interna + FCP se houver (por produto). O resultado desse calculo vai pro registro 1923 como ajuste do ICMS ST Efetivo. A soma de todos esses registros 1923 irão no registro 1921. No exemplo da imagem, o total seria R$ 601,20.

2 - Nas vendas pra revenda (não consumidor final), será necessário buscar a informação das entradas, para informar nas tags do ICMS Retido. Cada venda dessa, os valores (por produto) das tags vão pro registro 1923 como ajuste de estorno do crédito ICMS ST Presumido. No exemplo da imagem, o total seria R$ 198,00.

3 - Nas entradas os valores de base de calculo * alíquota interna + FCP se houver vão para o registro 1923 como ICMS ST Presumido. No exemplo da imagem, o total seria R$ 720,00.

O calculo pra saber se vai recolher ou restituir ICMS ST vai ser (3 - 2) 720,00 - 198,00 = 522,00 depois 1 - (3 - 2) 601,20 - 522,00 = R$ 79,20

 

 

Editado por Cleverson Favero
  • Curtir 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
45 minutos atrás, Cleverson Favero disse:

Isso.

Desculpa, estava falando apenas do caso 3 substituído e varejo, por você ter citado a frente de caixa.

1 - Nas vendas pra consumidor final, não é necessário buscar nenhuma informação na entrada, o cálculo é o simples valor total da venda * aliquota interna + FCP se houver (por produto). O resultado desse calculo vai pro registro 1923 como ajuste do ICMS ST Efetivo. A soma de todos esses registros 1923 irão no registro 1921. No exemplo da imagem, o total seria R$ 601,20.

2 - Nas vendas pra revenda (não consumidor final), será necessário buscar a informação das entradas, para informar nas tags do ICMS Retido. Cada venda dessa, os valores (por produto) das tags vão pro registro 1923 como ajuste de estorno do crédito ICMS ST Presumido. No exemplo da imagem, o total seria R$ 198,00.

3 - Nas entradas os valores de base de calculo * alíquota interna + FCP se houver vão para o registro 1923 como ICMS ST Presumido. No exemplo da imagem, o total seria R$ 720,00.

O calculo pra saber se vai recolher ou restituir ICMS ST vai ser (3 - 2) 720,00 - 198,00 = 522,00 depois 1 - (3 - 2) 601,20 - 522,00 = R$ 79,20

 

 

Obrigado pela explicação @Cleverson Favero!

A Fera de 7 cabeças agora ficou com um cabeça só!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
8 minutos atrás, augelias disse:

Obrigado pela explicação @Cleverson Favero!

A Fera de 7 cabeças agora ficou com um cabeça só!

Por nada, a apuração fica parecida com a do ICMS Próprio , produtos tributados CST 000, mas a complexidade de implementação dessa legislação é 1000x pior.

 

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bom dia colegas,

em conversa com algumas contabilidades e após estudar alguns cursos chegamos a conclusão em usar a Média ponderada (MPM) apenas das entradas que compõem o estoque do produto para obter a base de ST unitária. Assim vamos ter sempre um valor médio dos itens em estoque, os itens que sair do estoque deverão sair da Média ponderada. (Orientação das contabilidades)

Me tirem uma dúvida pessoal, no grupo ICMS60 vocês estão obtendo a base de ST unitária das entradas e multiplicando pela quantidade do item para preencher a tag vBCSTRet confere?

Agora para a tag vICMSSTRet  vocês também chegaram ao valor unitário com  base nas entradas e multiplicaram pela quantidade? Em nenhum momento precisaram da alíquota para o calculo? O que preenche no campo pST?

Em determinado momento pensei que para chegar no valor de  ST Retido deveria efetuar o seguinte calculo:

vICMSSTRet = vBCSTRet * pST

Como estão procedendo neste caso?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

os três campos são com base na última entrada..... os cálculos, com exceção da alíquota pST,  são o valor unitário (Base e Valor) multiplicado pela qtd de venda

uma dúvida pessoal, em relação as devoluções de venda (ICMS Efetivo), como irão proceder no lançamento do EFD Fiscal? No ajuste correspondente ao ICMS ST Presumido?

Exemplo varejista:

Venda de 10 unidades pelo preço total de R$ 12,00 por uma alíquota de 18% no dia 01/01

EFD Fiscal - Registro 1921

Ajuste RS001921 - Debito Saída - R$ 2,16 (12,00*18%)

Devolução de 5 unidades pelo preço total de R$ 6,00 por uma alíquota de 18% no dia 02/02

EFD Fiscal - Registro 1921

Ajuste RS021920 - Crédito estoque - R$ 1,08 (6,00*18%)

Seria dessa forma?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
25 minutos atrás, Cleverson Favero disse:

os três campos são com base na última entrada..... os cálculos, com exceção da alíquota pST,  são o valor unitário (Base e Valor) multiplicado pela qtd de venda

uma dúvida pessoal, em relação as devoluções de venda (ICMS Efetivo), como irão proceder no lançamento do EFD Fiscal? No ajuste correspondente ao ICMS ST Presumido?

Exemplo varejista:

Venda de 10 unidades pelo preço total de R$ 12,00 por uma alíquota de 18% no dia 01/01

EFD Fiscal - Registro 1921

Ajuste RS001921 - Debito Saída - R$ 2,16 (12,00*18%)

Devolução de 5 unidades pelo preço total de R$ 6,00 por uma alíquota de 18% no dia 02/02

EFD Fiscal - Registro 1921

Ajuste RS021920 - Crédito estoque - R$ 1,08 (6,00*18%)

Seria dessa forma?

Bom dia,

Cleverson, você faz média ponderada da aliquota de ST na entrada também?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
2 minutos atrás, João Paulo Müller disse:

Bom dia,

Cleverson, você faz média ponderada da aliquota de ST na entrada também?

Não, irei buscar a informação da última, conforme determina a legislação.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
3 horas atrás, Cleverson Favero disse:

Não, irei buscar a informação da última, conforme determina a legislação.

Bem estranho isso. 

Se o cliente teve mais saida que a quantidade da ultima entrada? 

Mas enfim, se é legislação né....

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Buenas.

Sobre o preenchimento do arquivo SPED, vocês teriam uma norma, ou manual, de como preencher e quais campos preencher, além dos códigos que devem ser usados?

Além do registro H, se precisa nos produtos com CST 60, multiplicar pela mesma alíquota que é utilizada na venda efetivada para consumidor final, ou apenas deixar como é hoje, informando os valores zerados.

Procurei para ter alguma maior exatidão de como preceder, mas geralmente as informações são vagas.

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 08/02/2019 at 11:19, joelhw disse:

Buenas.

Sobre o preenchimento do arquivo SPED, vocês teriam uma norma, ou manual, de como preencher e quais campos preencher, além dos códigos que devem ser usados?

Além do registro H, se precisa nos produtos com CST 60, multiplicar pela mesma alíquota que é utilizada na venda efetivada para consumidor final, ou apenas deixar como é hoje, informando os valores zerados.

Procurei para ter alguma maior exatidão de como preceder, mas geralmente as informações são vagas.

 

 

Bom dia Joel, consulta as primeiras páginas, lá tem bastante material.

bom dia pessoal, tudo bem?

Em uma apresentação realizada pelo auditor Dimitri Munari Domingos, o mesmo comentou que a nova tag do ICMS ST, venda pra consumidor final, a tag vBCEfet (Instrução Normativa 45/18) deve ser obtida pelo produto da tag vProd por (1 - pRedBCEfet), conforme o que está, também, no manual do NFe.

Contudo, a tag vProd trata-se do valor bruto do produto, conforme manual de orientação da NFe, página 185. Dessa forma, o valor total bruto do produto não considera descontos, por exemplo.

Na apuração do ICMS Normal CST 00, o valor da base de cálculo deve ser o valor liquido, vProd - vDesc.

Peço por gentileza, para confirmar se devemos considerar o vProd (Bruto) ou o Valor Liquido do produto. Pois na apuração do ICMS ST deve ser considerado o valor liquido como base de cálculo, mas se na tag enviar o bruto, vai ficar diferente entre o que foi enviado na tag e no EFD.

Obrigado

Editado por Cleverson Favero

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 31/01/2019 at 16:39, Cleverson Favero disse:

Falando sobre RS, não há necessidade de relacionar as vendas na frente de caixa com as notas de entrada, pois o que está se pedindo na apuração é todas as vendas (ICMS ST Efetivo) - (menos) as compras (ICMS ST Presumido) descontando os não tributados (Isentos e Não seja Consumidor Final).

Na primeira página, tem um exemplo no slide 30 na apresentação 1 - legislação, onde o auditor da receita Ernany mostra os valores para apuração.

image.thumb.png.f78f1fad13e7e68f1d456a0dd0eadfc4.png

A única relação entre a venda e a compra, será referente esse último caso, dos não tributados (Isentos e Não Consumidor Final), onde será necessário buscar a informação da compra para repassar ao cliente.

Nesse caso, devemos informar as tags do ICMS Retido, NFe, para a frente de caixa será somente NFCe, as tags do ICMS Efetivo.

 

Esta planilha mostra uma doença incurável! FALTA DE LÓGICA -
No item dia 15 - Colocam BC Efetiva 11,20 que me parece ser unitário, mas, no cálculo ICM Efetivo é o valor do ICM calculado por uma base totalizada ((R$ 11,20 x 110 qtd) x 18%). Porque diabos a base de cálculo já não é o (Valor x Quantidade). Até pra fazer exemplo eles não são claros.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

×